Untitled design

16.08.2018 | Por: Psicologia Empreendedora

Sou psicólogo e já defini o meu nicho! Que saco isso!

Você que segue a gente no Instagram, deve ter percebido que nos últimos dias eu questionei muito com a galera alguns pontos:

1- O que significa ter um nicho de mercado?

2- Para que você preciso de um?

3 – Quais os benefícios ou respostas de se ter um?

Algumas respostas que recebemos foram:

  • “Quando falamos de encontrar o seu nicho na psicologia, estamos falando da identidade do psicólogo.”;
  • “Ao meu ver, o nicho na psicologia fala muito mais do psicólogo do que sobre o paciente.”;
  • “O nicho lhe possibilita se tornar autoridade em determinada demanda”;
  • “O nicho será definido de acordo com a sua identificação”;

As respostas estão erradas?

50% NÃO, mas 50% SIM… E é sobre esse senso comum que se criou em volta da estratégia de se ter um nicho na psicologia que eu quero conversar URGENTEMENTE com vocês hoje.

Para entender o que significa de verdade TER UM NICHO é necessário saber sobre o Movimentos de Consolidação dos Mercados.

Segundo essa teoria, que faz uma analogia com um conceito da biologia, os produtos e serviços criados – assim como os seres vivos – passam por um ciclo de vida.

Eles surgem quando duas variáveis se combinam: a existência de uma necessidade de mercado a ser suprida (ou ser suprida de modo melhor) e a existência de um empreendedor que desenvolva uma tecnologia (teoria, serviço, técnica, teste, etc) que resulte na satisfação dessa necessidade.

Esse novo produto ou serviço passa então por quatro fases, a saber:

1- Introdução;

2- Crescimento;

3- Maturidade

4- Declínio.

 

A história da psicologia é recente em nosso país, foi na década de 1950, que os estudos de psicologia emergiram, sendo incluídos nas formações dos cursos de Pedagogia, Ciências Sociais e Filosofia na Escola Normal de São Paulo. Certamente essas iniciativas favoreceram a aprovação da Lei n. 4119, de 27 de agosto de 1962, que autorizou a criação de cursos de Psicologia em todo o Brasil.

Nessa época ainda introdutória, o cenário formado pela criação dos cursos e da profissão impulsionou as atividades do psicólogo vinculadas ao momento nacional do governo militar que se instaurava, principalmente em seu projeto de urbanização e modernização, incentivando atividades como “as avaliações psicológicas nas indústrias, escolas, para possibilitar um aprendizado melhor e uma mão de obra mais preparada para o trabalho” (CFP, 2012a, p. 9).

Nesse contexto, a inserção e a intervenção profissional dos psicólogos então existentes, cerca de 500 (CFP, 2012a), fortaleceram-se por meio da utilização de uma tecnologia exclusiva desses profissionais, os testes psicológicos.

O período compreendido entre 1970 e a constituição de 1988 foi muito bom para a inserção profissional dos psicólogos brasileiros.

As atividades profissionais predominantes se deram no âmbito político dos movimentos sociais, na psicologia comunitária e na psicologia clínica, oportunizando a ampliação do acesso aos serviços psicológicos à nova burguesia industrial brasileira (CFP, 2012a).

Em meados da década de 1990, a reestruturação política e econômica reduziu o poder aquisitivo da população brasileira, e as consequências desse contexto socioeconômico aliadas ao aumento substancial do número de psicólogos, que já somavam 54.139 profissionais em 1987 (CFP, 1988), geraram dificuldades de inserção e permanência dos profissionais no mercado de trabalho, enfrentadas por meio de esforços de inserção no setor público, buscando participar na criação e gestão de políticas públicas de saúde coletiva (CFP, 2012a).

Nessa fase introdutória, normalmente há uma “luta” entre os profissionais para conquistar o mercado, o que usualmente é feito com avanço tecnológico e melhoria no produto ou na produtividade, com consequente redução de preços.

A batalha para oferecer mais ao cliente consumidor começa a ser vencida por alguns profissionais que passam a vender mais e mais, em detrimento de outros. Essa vantagem produz um efeito em cadeia, porque o consumidor, diante da percepção de que os que estão vencendo são melhores (o que quase sempre é verdade), correm para estes e abandonam os concorrentes.

 

O crescimento da profissão no Brasil relativamente às oportunidades de atuação profissional se fortaleceu no início dos anos 2000, com o novo padrão de consumo instaurado. A ascensão social e financeira das classes C e D influenciaram na criação de novas universidades e, consequentemente, de novos cursos de Psicologia.

Entra-se na fase do crescimento: o mercado se expande, mais e mais pessoas mostram interesse pelo produto, psicólogos baixam preços e tornam-no acessível para números maiores de pessoas.

Os concorrentes que não conseguem acompanhar a corrida por preço e qualidade tentam alternativas, como diferenciações no produto para adequá-los a nichos de mercado.

Isso significa que hoje em dia, ainda estamos nesta etapa de crescimento e alguns profissionais para se diferenciar investiram ou em estratégias de PREÇO BAIXO como os convênios de saúde, ou na criação de convênios diretos com empresas ou instituições específicas

Outros resolveram investir em uma estratégia de QUALIDADE E PREÇO DIFERENCIADO, feita para atingir aquele que podem pagar mais. Para isso investiram em arquitetura, formação no exterior em técnicas exclusivas, mestrados e doutorados também atraem esse público seleto normalmente.

O RESTO DA CATEGORIA que por vários motivos não conseguiu se colocar em nenhuma das estratégias citadas, por elas serem MUITO CARAS. Escolhe se especializar em um único nicho de mercado.

Com o objetivo de atender apenas um segmento de mercado e ampliar a eficiência no atendimento deste se concentrando em um ou alguns tipos de produtos e serviços, procurando trabalhá-los de modo mais eficiente que os grandes concorrentes que falamos antes. Investindo em pesquisa de mercado, pesquisa de comportamento de consumo dessa galera, e principalmente, investigando suas necessidades de mercado.

OU SEJA,  ter um nicho não é algo que possa ser entendido enquanto uma escolha puramente EMOCIONAL,  AFETIVA, MÍSTICA OU DE SEGUIR OS SEUS SONHOS…..

Você precisa de ter os pés no chão e compreender que a psicologia é uma profissão, e que exige portanto, que você saiba como quer se posicionar no mercado. E isso que eu disse são algumas maneiras de fazer isso.

DIANTE DESSE BAITA TEXTÃO, VOCÊ ACHA MESMO QUE JÁ DEFINIU O SEU NICHO? OU ESTAVA MAL INFLUENCIADO POR QUEM QUER TE VENDER SÓ ILUSÃO?

Te convido à refletir e me contar o que você achou.

Aproveito para divulgar as novas datas das nossas novas turmas do Treinamento Online em Grupo – Descubra o seu nicho na psicologia.

http://nicho.psicologiaempreendedora.com.br/nicho-para-psicologos-grupo

 

 

 

 

 

Psicologia Empreendedora

Tags